Os arquivos de javascript não puderam ser carregados.
logo
Olá seja bem-vindo! | Quarta-Feira, 29 de Junho de 2016
 

/ Formação /



Publicado no dia 25/08/2011 | 17:51:59

Eventos: Portas de entrada ou fins em si mesmos?

Nossas lideranças têm investido um tempo precioso para organizar eventos, mas as pessoas que frequentam nossos encontros são estimuladas a participar de nossos Grupos? Elas passam a ter uma vivência eclesial? Tornam-se compromissadas com o anúncio, ou estão vivendo de encontro em encontro em buscas dos “aspectos gloriosos” da caminhada?

 

Eu gostaria de convidá-lo (la) a lembrar-se do último encontro que você ajudou a organizar ou esteve presente.  As pregações estavam ungidas? A música foi boa? As pessoas foram "tocadas"?  Provavelmente você dirá que “sim”. É característica nossa. Por mais simples que sejam, nossos encontros costumam ser muito bons. Neles testemunhamos o operar do Espírito Santo. E isso não pode mudar nunca, porque faz parte do nosso jeito de ser.

Mas continuemos nossa reflexão. Quem eram as pessoas que estavam naquele encontro de carnaval, cenáculo, retiro de primeiro anúncio ou naquele show que promovemos? Quem eram aqueles que escutaram nossas lindas músicas? Alguns deles nós até vimos chorar. Quem eram? E outra questão mais importante: onde esses irmãos estão agora?

Na semana seguinte ao evento, eles foram para algum dos nossos Grupos de Oração? Começaram a trilhar uma caminhada no seio da Igreja Católica? Se não foram, você saberia dizer qual a razão? Ou melhor, quais as razões? Claro, não podemos controlar a vida das pessoas, nem queremos isso. Não teríamos essa pretensão, mas, lamentavelmente, é preciso admitir algo: muitos que lá estavam não foram a um dos nossos Grupos simplesmente porque não foram convidados. É triste constatar isso!
Eis uma história verídica: um jovem, que vivia o drama da dependência química, teve um encontro pessoal com Jesus Cristo em um tradicional evento de carnaval da RCC e foi liberto desse drama, mas, por incrível que pareça, ele saiu do encontro sem saber quem o havia promovido. Sabe por quê? Porque ninguém, em nenhum momento, falou que ali estava a Renovação Carismática Católica e que se as pessoas quisessem continuar a beber daquela espiritualidade bastaria irem ao um de nossos Grupos. Um ano depois, somente, é que outra pessoa o convidou a participar de um Grupo. E ele foi!  Nunca mais abandonou. Precisava ter demorado tanto tempo? Claro que não! O certo seria ele ter saído do encontro com essa valiosa informação.

Temos perdido a oportunidade de pastorear as pessoas, de cuidar delas, porque geralmente quando o assunto é “evento”, temos nos ocupado muito como o “antes”, com o “durante”, mas temos esquecido o “depois”.   

Precisamos refletir seriamente sobre isso. Os nossos eventos não devem ter um fim em si mesmos. O que isso significa? Que eles têm que estar conectados com o todo do trabalho evangelizador que somos chamados a desenvolver. Não podem acontecer de forma isolada.   Devem estar inseridos em nossas atividades, de forma a complementá-las, fortalecê-las.

Façamos um raciocínio: Qual é a base da nossa estrutura como Movimento? O Grupo de Oração! Onde somos chamados a servir o Senhor, onde vivemos nossa espiritualidade no dia a dia? No Grupo! Este ano, de forma insistente, temos sido lembrados desse caráter evangelizador dos Grupos de Oração da RCC. Eles são ambientes de missão por excelência.

Como, então, podemos fazer encontros sem contemplá-los? Ao preparar um evento (qualquer um) temos que pensar em estratégias para a manutenção do nosso trabalho de evangelização. É o pastoreio! Afinal, ao lançarmos as sementes, várias possibilidades conspiram contra o nosso trabalho.

Foi Jesus quem nos alertou a esse respeito. Em Mateus 13, ao falar sobre o semeador, Ele mostra que de quatro tentativas, apenas uma resultou em frutos verdadeiros.
Aquela pessoa que vimos chorando em um dos nossos eventos e depois nunca mais encontramos na Igreja pode ter dado alguns passos e ter tido sua semente roubada pelo passarinho (maligno) como o próprio Senhor explica no versículo 19. Ou ela pode ter escutado a linda música no show, apreciado com “alegria” (versículo 20), mas como não havia raízes, na primeira oportunidade, pode ter abandonado a caminhada.

Ou, quem sabe, anunciamos para alguém cujos cuidados com o mundo o impediram de abrir a porta do coração para Jesus de verdade. E ele saiu cantarolando a música que ouviu, mas sem disposição para as renúncias exigidas pelo Senhor.

Talvez alguns possam dizer: - “Isso não é minha responsabilidade, a Graça é um mistério”. Sim! Mas não podemos fugir da responsabilidade para com as pessoas a quem anunciamos a Palavra.  Nós podemos minimizar as perdas. Podemos dificultar a ação do “passarinho” que tenta roubar o que plantamos.

O Apóstolo Paulo é um grande exemplo para nós. Vejamos o zelo que ele tinha pelas comunidades às quais apresentou a fé cristã. Ele não anunciava e depois abandonava cada qual a própria sorte. Ele cuidava de seus filhos espirituais. Temos que ser como Paulo.

Não podemos, com toda honestidade, nos contentarmos com um único momento de anúncio. Devemos organizar nossos encontros como sendo “portas de entrada”.  Se não, como vamos implantar a Cultura de Pentecostes neste mundo? Vejamos o que Bento XVI nos falou por ocasião do 45º Dia Mundial das Comunicações Sociais sobre a Verdade que anunciamos:

 “... deve tornar-se alimento quotidiano e não atração de um momento. A verdade do Evangelho não é algo que possa ser objeto de consumo ou fruição superficial, mas dom que requer uma resposta livre”. O Papa escreveu isso ao referir-se à evangelização na internet, mas essa exortação cabe bem nesse contexto que ora abordamos.
Reinaldo Beserra do Reis nos presenteia, nesta edição, com uma reflexão sobre o compromisso com o Evangelho. Na página 10, ele questiona o comportamento daqueles que se contentam em ser apenas discípulos, sem assumir o compromisso com a Missão. Nós estamos incentivando as pessoas a serem assim ou estamos cuidando para que elas se tornem cristãs convictas e atuantes?

Estamos tratando de um assunto sério. Jesus nos deixou um parâmetro para avaliarmos se nossa evangelização deu resultados ou não: a própria pessoa que recebeu a mensagem do Reino passa a ser uma semeadora (cf. Mt 13,23).

Claro, não cabe a nós estipular o ritmo de crescimento espiritual de alguém, mas podemos nos empenhar para que aquelas pessoas que participam dos encontros que organizamos com tanta dedicação tenham a chance de receber alimentação continuamente. Isso nós podemos fazer! Basta mudarmos um pouquinho o nosso jeito de organizar, de nos comunicarmos.

É preciso termos coragem de autoavaliarmos. É necessário que partilhemos com os servos esse tipo de reflexão. Formar membros do Movimento com senso crítico. Sem deslumbramentos. Pessoas que não se deixem seduzir por uma tal “cultura da fama”, de culto às celebridades. Esforçarmo-nos para que as massas para as quais anunciamos sejam transformadas em verdadeiro povo de Deus. Sobre isso falaremos na próxima edição da Revista Renovação.
Que o Espírito Santo, protagonista da Missão, nos ensine a semear para que nosso trabalho dê muitos frutos: “cem por um, sessenta por um, trinta por um” (cf. Mt 13,24).

Sugestões:
-Falar com frequência da Igreja, da beleza do catolicismo, incentivando os participantes a buscarem os Sacramentos a partir daquele encontro;
-Incluir pregações que falem da RCC.  Contar aos participantes a história deste Movimento, suscitado pelo Espírito Santo. É importante que aqueles que se achegam a nós conheçam a RCC, que tem sido uma estratégia de Deus para a transformação de tantas vidas;
-Contemplar momentos e pregações que falem sobre os Grupos de Oração, incentivando, por meio de testemunhos, as pessoas a conhecê-los;
- Anunciar no palco, várias vezes, que se trata de um evento da RCC. Nas faixas e painéis que identificam o nome do Evento, escrever por extenso: Renovação Carismática Católica;
-Produzir materiais que divulguem nomes e locais de funcionamento dos Grupos da região onde o Evento acontece. Podem ser simples, impressos, xerocados, escritos à mão. Enfim, os meios que estiverem ao alcance e possibilidades financeiras dos organizadores;
-Preparar servos que farão trabalho de abordagem, conversarão, rezarão com as pessoas que estão recebendo o anúncio.  Pessoas que farão um contato direto, convidando os participantes a participarem de um Grupo de Oração. Essa estratégia é fundamental principalmente nos shows de evangelização.

 

 Lúcia V. Zolin – coordenadora nacional da comissão e Ministério de Comunicação

Grupo de Oração Divina Misericórdia










RCC Brasil 2005-2010 © Todos os direitos reservados  -  Escritório Administrativo da RCC do Brasil