Angelus: “Somos chamados a abrir a porta do nosso coração à Palavra de Deus”

altO Santo Padre Francisco rezou a oração do Angelus neste primeiro domingo de 2016, da janela de seu escritório no Palácio Apostólico, diante da Praça de São Pedro repleta de fiéis e peregrinos que o receberam com muitos aplausos. O Papa pronunciou as seguintes palavras:

Queridos irmãos e irmãs, bom domingo!

A liturgia de hoje, segundo domingo depois do Natal, apresenta-nos o Prólogo do Evangelho de João, no qual se proclamou que "o Verbo - ou a Palavra criadora de Deus - se fez carne e habitou entre nós" (Jo 1,14). Essa Palavra, que habita no céu, na dimensão de Deus, veio ao mundo para que a escutássemos e pudéssemos conhecer e tocar com a mão o amor do Pai. O Verbo de Deus é seu próprio Filho unigênito, feito homem, cheio de amor e fidelidade (cf. Jo 1,14), é o próprio Jesus.

O evangelista não esconde a dramaticidade da Encarnação do Filho de Deus, salientando que ao dom do amor de Deus se contrapõe a não aceitação dos homens. [O Verbo] era a verdadeira luz que, vindo ao mundo, ilumina todo homem. Estava no mundo e o mundo foi feito por ele, e o mundo não o reconheceu. Veio para o que era seu, mas os seus não o receberam. (cf. vv. 9-10). Eles fecharam a porta ao Filho de Deus. É o mistério do mal que ameaça também as nossas vidas e que exige a nossa vigilância e atenção para que não prevaleça. O livro de Gênesis diz uma frase que nos faz entender isso: diz que o mal "jaz à porta" (ver 4.7). Ai de nós se o deixarmos entrar; seria ele que fecharia a nossa porta a qualquer pessoa. Em vez disso, somos chamados a abrir a porta do nosso coração à Palavra de Deus, a Jesus, para nos tornarmos seus filhos.

No Dia de Natal já foi proclamado este solene início do Evangelho de João; hoje nos é proposto mais uma vez. É o convite da Santa Mãe Igreja para acolher esta Palavra de salvação, este mistério de luz. Se a acolhermos, se acolhermos Jesus, cresceremos no conhecimento e no amor do Senhor, aprenderemos a ser misericordiosos como Ele. Especialmente neste Ano Santo da Misericórdia, façamos com que o Evangelho se torne cada vez mais carne também em nossas vidas. Aproximar-se do Evangelho, medita-lo, encarna-lo na vida cotidiana é a melhor maneira de conhecer Jesus e levá-lo aos outros. Esta é a vocação e a alegria de todo batizado: mostrar e dar Jesus aos outros; mas para isso devemos conhece-lo e tê-lo dentro de nós, como Senhor de nossas vidas. E Ele nos protege do mal, do diabo, que está sempre agachado à nossa porta, em frente ao nosso coração e quer entrar.

Com uma explosão renovada de abandono filial, nos confiamos mais uma vez a Maria: a sua doce imagem de mãe de Jesus e mãe nossa, a contemplamos nestes dias no presépio.

Depois do Angelus

Queridos irmãos e irmãs,

Dirijo uma cordial saudação a vocês, fiéis de Roma e peregrinos que vieram da Itália e de outros países. Saúdo as famílias, associações, vários grupos paroquiais, em particular a de Monzambano, os crismandos de Bonate Sotto e os jovens de Maleo.

Neste primeiro domingo do ano renovo a todos os bons votos de paz e bem no Senhor. Nos momentos felizes e nos tristes, vamos confiar n'Ele que é a nossa misericórdia e a nossa esperança! Recordo também o compromisso que fizemos no Ano Novo, Dia da Paz: "Vence a indiferença e conquista a paz"; com a graça de Deus, poderemos colocá-lo em prática. Recordo também o conselho que dei muitas vezes: diariamente ler uma passagem do Evangelho, uma passagem do Evangelho, para conhecer melhor Jesus, para escancarar os nossos corações para Jesus e assim torná-lo mais conhecido aos outros. Levar um pequeno Evangelho no bolso, na bolsa: nos fará bem. Não se esqueça: todos os dias ler uma passagem do Evangelho.

Desejo-lhes um bom domingo e bom almoço. E, por favor, por favor, não se esqueçam de rezar por mim. Até logo.

Fonte: Zenit


Leia mais sobre Formação