Angelus: Deus nos fez o grande dom da liberdade

alt

Texto completo da homilia do Santo Padre no Angelus deste domingo (06):

Queridos irmãos e irmãs, bom dia!

 No décimo quinto capítulo do Evangelho de Lucas, encontramos as três parábolas da misericórdia: a da ovelha perdida (vv. 4-7), a da moeda reencontrada (vv 8-10.), e a grande parábola do filho pródigo, ou melhor, do pai misericordioso (vv. 11-32). Hoje, seria bom que cada um de nós pegasse o Evangelho, este capítulo XV do Evangelho de Lucas, e lesse as três parábolas. Dentro do itinerário quaresmal, o Evangelho apresenta-nos esta última parábola do Pai misericordioso, que tem como protagonista um pai com os seus dois filhos. A narração nos apresenta algumas características desse pai: é um homem sempre pronto a perdoar e que espera contra toda esperança. Impressiona, principalmente, a sua tolerância perante a decisão do filho mais jovem de sair de casa: poderia ter se oposto, sabendo a sua imaturidade, um jovem moço, ou procurar algum advogado para não dar-lhe a herança, estando ainda vivo. Mas, pelo contrário permite-lhe partir, ainda prevendo os possíveis riscos. Assim atua Deus conosco: nos deixa livres, também para errar, porque criando-nos nos deu o grande dom da liberdade. Depende de nós fazer um bom uso. Este dom da liberdade que Deus nos dá sempre me admira!

Mas a separação daquele seu filho é só física; o pai o leva sempre no coração; espera confiante o seu retorno; procura pelo caminho na esperança de vê-lo. E um dia o vê aparecer no horizonte (cf. v. 20). Mas isso significa que esse pai, a cada dia, subia no telhado para ver se o filho voltava! Portanto, se comove ao vê-lo, corre ao seu encontro, o abraça, o beija. Quanta ternura! E este filho tinha errado feio. Mas o pai o acolhia assim mesmo.

A mesma atitude o pai também tem com o filho maior, que sempre permaneceu em casa, e agora, está indignado e protesta porque não entende e não compartilha toda aquela bondade com o irmão que tinha errado. O pai sai ao encontro também deste filho e lhe recorda que eles sempre estiveram juntos, compartilhando tudo (v. 31), mas é preciso acolher com alegria o irmão que finalmente voltou para casa. E isso me faz pensar uma coisa: quando alguém se sente um pecador, se sente realmente pequeno, ou, como ouvi alguém dizer – muitos – : “Pai, eu sou uma sujeira!”, então é o momento de ir ao Pai. Pelo contrário quando alguém se sente justo – “Sempre fiz as coisas bem…” – igualmente o Pai vem procurar-nos porque aquela atitude de sentir-se justo é uma atitude má: é a soberba! Vem do diabo. O Pai espera aqueles que se reconhecem pecadores e vai procurar aqueles que se sentem justos. Esse é o nosso Pai!

Nesta parábola também é possível vislumbrar um terceiro filho. Um terceiro filho? E onde? Está escondido! E aquele que “não considera um privilégio ser como [o Pai], mas esvaziou a si mesmo, assumindo uma condição de servo” (Fl 2,6-7). Este Filho-Servo é Jesus! É “a extensão dos braços e do coração do Pai: Ele acolheu o pródigo e lavou os seus pés sujos; Ele preparou o banquete para a festa do perdão. Ele, Jesus, nos ensina a ser “misericordiosos como o Pai”.

A figura do pai da parábola revela o coração de Deus. Ele é o Pai Misericordioso que em Jesus nos ama além de qualquer medida, sempre aguarda a nossa conversão toda vez que erramos; espera muito o nosso retorno quando nos distanciamos Dele pensando que podemos sem Ele; está sempre pronto para abrir-nos os seus braços independente do que aconteça. Como o pai do Evangelho, também Deus continua a considerar-nos os seus filhos quando voltamos a Ele. E nos fala com tanta bondade quando nós achamos que somos justos. Os erros que cometemos, embora sendo grandes, nem sequer arranham a fidelidade do seu amor. No sacramento da Reconciliação podemos sempre de novo recomeçar: Ele nos acolhe, nos restitui a dignidade de filhos seus e nos diz: “Siga adiante! Esteja em paz! Levante, diga em frente!”

Neste momento da Quaresma que ainda nos separa da Páscoa, somos chamados a intensificar o caminho interior de conversão. Deixemo-nos alcançar pelo olhar cheio de amor do nosso Pai, e voltemos a Ele com todo o coração, rejeitando qualquer pacto com o pecado. A Virgem Maria nos acompanhe até o abraço regenerador com a Divina Misericórdia.

*** 

Depois do Angelus

Queridos irmãos e irmãs, 

Expresso a minha proximidade com as Missionárias da Caridade, pela grande perda que as atingiu dois dias atrás com o assassinato de quatro Religiosas em Aden, no Iemen, onde atendiam os anciãos. Rezo por elas e pelas outras pessoas assassinadas no ataque, e pelos familiares. Estes são os mártires de hoje! Não são capas de jornais, não são notícias: estes dão o seu sangue pela Igreja. Essas pessoas são vítimas do ataque daqueles que as mataram e também da indiferença, desta globalização da indiferença, que não se importa… Que Madre Teresa acompanhe no paraíso estas suas filhas mártires da caridade, e interceda pela paz e o sacro respeito pela vida humana. 

Como um sinal concreto de compromisso com a paz e a vida gostaria de citar e expressar admiração pela iniciativa dos corredores humanitários para os refugiados, começada ultimamente na Itália. Este projeto piloto, que une a solidariedade e a segurança, permite ajudar pessoas que fogem da guerra e da violência, como as centenas de refugiados já transferidos para a Itália, entre os quais crianças doentes, pessoas deficientes, viúvas de guerra, com filhos e anciãos. Lembro-me também porque esta iniciativa é ecumênica, recebendo apoio da Comunidade de Santo Egídio, Federação das Igrejas Evangélicas Italianas, Igrejas Valdeses e Metodistas. 

Saúdo todos vós, peregrinos vindos da Itália e de tantos países, em particular os fiéis da Missão Católica de Hagen (Alemanha), bem como aqueles de Timisoara (Roménia), Valencia (Espanha) e da Dinamarca.

Saúdo os grupos paroquiais de Taranto, Avellino, Dobbiaco, Fane (Verona) e Roma; os meninos de Milão, Alemnno São Salvatore, Verdellino-Zingonia, Latiano e os jovens de vigonovo; as Escolas “Dom Carlo Costamagna” de Busto Arsizio e “Imaculada” de Soresina; os grupos de oração “Santa Maria degli Angeli e da esperança”; a Confederação Nacional dos Ex-alunos de escolas católicas. 

Peço, por favor, uma lembrança na oração por mim e pelos meus colaboradores, que a partir da noite de hoje até sexta-feira, faremos os Exercícios Espirituais.

Desejo a todos um bom domingo. Bom almoço e até mais!

Fonte: Zenit


Leia mais sobre Formação