Deixar-se conduzir pelo Espírito Santo

alt

“Não há maior liberdade do que deixar-se guiar pelo Espírito Santo e permitir-lhe que nos conduza para onde quiser”. Este foi um dos convites do Papa Francisco na semana da Novena de Pentecostes e de Orações pela unidade dos cristãos. Trata-se de uma provocação positiva destinada a orientar nossas escolhas diárias, pois fomos criados com o maravilhoso e desafiador presente da liberdade.

Atribui-se ao Espírito Santo, terceira pessoa da Santíssima Trindade, amor que circula entre o Pai e do Filho, a santificação da humanidade, garantia prometida por Jesus aos seus discípulos, para acompanhá-los no tempo da Igreja, até a volta do Senhor no fim dos tempos. Este tempo é precioso e há de ser desfrutado como uma oportunidade atrás da outra para acolher a graça que vem de Deus, realizar as obras de Deus e testemunhá-las a todos os homens e mulheres que encontrarmos. Somos convidados continuamente a esta abertura da alma àquele que é chamado “Alma da Igreja”. Deixar-nos conduzir pelo Espírito Santo!

Para tanto, faz-se necessário exercitar o discernimento, identificando as moções que nos vêm do Espírito. O olhar interior, adquirido na oração, abre nossos ouvidos, nossos olhos e o coração para identificar a voz do Espírito. Não se trata de sons ou barulhos externos, mas indicações capazes de conduzir as nossas decisões. No meio de tanta agitação, nasce o apelo ao recolhimento e ao silêncio. Vale a pena desligar as muitas fontes de informações e apelos vindos de fora, para desfrutar o clamor da voz interior, não a abafando, inclusive porque ela não nos fecha aos clamores das outras pessoas e situações humanas, mas qualifica nossa sensibilidade, para nos deixarmos conduzir pelo Espírito Santo!

Há um roteiro para a escuta da voz interior, instrumento precioso colocado à nossa disposição, a Palavra de Deus. O contato diário com a Bíblia e sua leitura atenta treinam nossa sensibilidade para os verdadeiros valores, abrem nosso horizonte para a compreensão de realidades antes escondidas. E isso pode ser feito com muita calma e serenidade, passando pelo percurso da meditação, oração, contemplação e propósitos de vida nova.

A abertura aos dons do Espírito Santo, pedidos e acolhidos, com os quais podemos agir de modo sobrenatural no cotidiano da vida, sem nos afastarmos de tudo o que é necessário fazer em nossa família ou profissão,possibilita um salto qualitativo na existência. Sabedoria, para descobrir o sentido impresso por Deus em tudo o que existe. Ciência, para conhecer de modo divino as realidades da própria natureza. Conselho, para discernir os passos a serem dados. Fortaleza, para elevar quem está caído e para dominar os impulsos que nos levam à agressividade. Piedade, para que o nosso coração seja “pio”, cheio de bondade em relação ao próximo, à sociedade e diante de Deus. Temor de Deus, para levá-lo sempre em conta e caminhar em sua presença. De propósito, o dom da Inteligência, também chamado de entendimento, é elencado por último, pela urgência com que precisa ser atuado em nossos dias. O Senhor nos diz: “Quando ele vier, o Espírito da Verdade, vos guiará em toda a verdade” (Jo 16,13). Com o dom do entendimento, o Espírito Santo infunde em nós a paixão pela verdade, em tempos de falsidade, corrupção e mentira deslavada. Deixar-se conduzir pelo Espírito é adquirir tal paixão, purificando-nos de todo engano!

Uma fonte preciosa de inspiração é um olhar aberto às pessoas e suas necessidades, especialmente a sensibilidade diante dos mais pobres e fracos. Não abafar a voz da consciência, que provoca a saída de nós mesmos para encontrar as estradas do bem. É necessário superar a insensibilidade corrente diante dos problemas e da violência, quando podemos fazer ouvido moco diante dos gritos dos mais sofredores. As muitas cenas do cotidiano, com as quais a miséria humana clama por serviço e caridade seja a voz do Espírito Santo, que nos conduz ao bem e suscita a atenção diante do próximo.

Uma das manifestações da ação do Espírito Santo na Igreja é a figura do conselheiro. Há pessoas colocadas por Deus em nossa vida que significam muito, pois nos oferecem, pela palavra e o exemplo, a preciosa ajuda para percorrer os caminhos suscitados pelo Espírito. Aqui entra em primeiro lugar o confessor, pela graça da escuta, as orientações e mais do que tudo o exercício do ministério sacramental do perdão. Diga-se o mesmo do ministério da direção espiritual. E existem também homens santos e mulheres santas que, com sua experiência de vida cristã madura cuja palavra e exemplo são sinais para a aventura da vida no Espírito, que não é privilégio de poucas pessoas, mas vocação universal à perfeição da vida cristã.

Deixar-nos conduzir pelo Espírito Santo significa ainda identificar suas inspirações que se transformam na diversidade de dons (Cf. 1 Cor 12,3-13). A beleza da Igreja se expressa na vocação específica de cada pessoa. Não há motivos para a inveja, ciúme ou comparações estéreis, já que todos têm muito a oferecer e são importantes para Deus. O apelo é que ninguém se esconda  ou se omita, mas todos contribuam com aquilo que são e com o que têm para a edificação do Reino de Deus.

Para que nossa vida seja conduzida pelo Espírito Santo que sopra onde quer, só nos resta pedir insistentemente: “Ó Deus que, pelo mistério da Festa de Pentecostes, santificais a vossa Igreja inteira, em todos os povos e nações, derramai por toda a extensão do mundo os dons do Espírito Santo, e realizai agora no coração dos fiéis as maravilhas que operastes no início da pregação do Evangelho.

alt

 

 
Dom Alberto Taveira Corrêa
Arcebispo de Belém do Pará
Assessor Eclesiástico da RCCBRASIL


Leia mais sobre Artigos