São Filipe Néri, rosto, sorriso e memória de Pentecostes para a nossa vida!

alt

Nos próximos dias, a Igreja celebrará uma das suas mais importantes Festas: a Solenidade de Pentecostes! Este momento é de enorme importância para todos os carismáticos. Afinal, pregamos e ensinamos nos Grupos de Oração, congressos e encontros, que levemos rosto e memória de Pentecostes no mundo.

Que missão bela colocamos sob a nossa responsabilidade! Se você também acredita que uma das missões que o Espírito Santo lhe confiou é ser o rosto d’Ele e viver de tal modo que as pessoas tenham memória de Pentecostes, faça tudo o que estiver ao seu alcance para tanto!

Deus, nosso Pai, sabe que somos fracos e instáveis na nossa caminhada. Por isso, ao longo da história da Igreja. o Senhor fez surgir no mundo pessoas que são como luzeiros para a nossa vida: os Santos. Aqueles que vivenciaram de tal modo a Graça de Deus, que mudaram o mundo de sua época e inspiram gerações. Ao olhar para os Santos, podemos sentir em nosso coração que podemos alcançar a perfeição que Jesus nos pede diariamente!

Nessa reflexão, convido a você a conhecer e meditar a história de um santo que não deixou qualquer obra escrita ou mesmo grandes biografias, mas que foi de tal modo agraciado pelos Dons Espirituais que, passados séculos de sua páscoa definitiva, ainda gera frutos em nosso meio: São Filipe Néri, conhecido como o “santo da alegria”.  Tenho certeza que, após conhecer um pouco de sua vida, certamente o seu coração será impelido por um desejo ardente de santidade.

Filipe Néri viveu na Itália, nos anos de 1500 – século bem difícil na história da Igreja. Desde criança e até sua idade adulta, demonstrava interesse pela vida cristã. Tinha o belo hábito de visitar as Catacumbas de Roma, onde meditava e orava com fervor. Porém, o Espírito queria mais dele.

Diz a história que, em 1544, numa das visitas às catacumbas, ocorreu o chamado “Pentecostes de Filipe”. Na noite de Pentecostes, surgiu uma bola de fogo que lhe entrou pela boca e lhe dilatou o peito. Inclusive, após sua morte constatou-se que, na verdade, foi o coração de Filipe que havia sido dilatado, o que ocasionou o rompimento de parte de seu tórax. Foi um sinal visível que o Senhor lhe deu para mostrar que Ele transforma os corações verdadeiramente!

Após este episódio, vemos uma guinada na vida de Filipe, ficando clara a ação do Espírito Santo em sua vida. Conseguimos ver na vida do Santo diversos frutos do Poder de Deus.

Primeiro, a obediência. Filipe sempre teve um diretor espiritual. E graças à obediência às orientações do seu confessor, ele abriu o coração à vocação sacerdotal (Filipe queria, antes apenas servir como leigo). Também, por obediência, ele permaneceu em Roma ao invés de evangelizar nas Índias como primeiramente desejava.

Justamente por essa obediência que Filipe, anos após, passou a ser chamado de “Apóstolo de Roma”, pois o seu ministério foi abundantemente frutuoso na Cidade Eterna. Celebrava Missa e confessava os pecadores com grande ardor e amor.  Inúmeros romanos – em particular os jovens – mudaram de vida ao conviver com o Padre Filipe.

Também constatamos a ciência e sabedoria. Conta a história que o Senhor concedeu ao Padre Filipe o dom de saber os pecados de todos aqueles que buscavam confessar-se. Com seu humor e delicadeza, Filipe fazia com que realmente as pessoas buscassem a confissão e mudassem de vida após seus conselhos e orientações.

Outro dom que Deus concedeu a São Filipe Néri foi a criatividade e coragem evangélica. Nunca perdia uma oportunidade de falar de Deus. Em uma conversa na praça, refeição ou no meio da rua, interpelava alguém dizendo: “Quando é que vamos começar a Amar a Deus? Quando vamos nos decidir a comportar bem? Você já rezou hoje? Por que não?”. Era um franco atirador da palavra, sempre buscando levar cada vez mais homens e mulheres ao caminho de Deus!

Mas, duas características do Santo eu quero destacar de maneira especial nesse simples texto: a humildade e a alegria!

Diz a Palavra que o ouro é provado no fogo e que aquele que serve ao Senhor deve preparar-se para o cadinho da humilhação. Mesmo que o Padre Filipe já fosse conhecido e amado, vivia num contexto histórico em que a Igreja precisou conter uma série de heresias. Assim, mesmo com os mais retos desejos, Bispos, Cardeais e até Papas entenderam que o jeito espontâneo, alegre e simples de Filipe – que arrematava multidões – poderia ser algo perigoso na época. São Filipe chegou a ser suspenso do seu ministério, proibido de confessar e rezar Missa. Foram muitas acusações e mentiras levantadas contra ele.

A toda a perseguição injustamente sofrida, ele respondia com um sorriso e delicadeza, dizendo “Deus quer tornar-me humilde e paciente. A perseguição cessará quando tiver dado os frutos que Deus quer”. E não admitia que sequer falassem mal de seus detratores.

Os anos passaram e as acusações foram confirmadas como mentirosas. Podemos ver o quanto de fruto a perseguição lhe rendeu. São Filipe Néri influenciou Santos como Inácio de Loyola e Carlos Barromeu. Também foi confessor do homem que seria o Papa Clemente VIII.  Gerou espiritualmente inúmeras famílias, padres e religiosos. O povo lhe acorria. Foi até convidado a ser Cardeal pelo Papa, ao que respondeu: “obrigado, Santo Padre, mas prefiro o Paraíso”.

Quanto à alegria, este era o Dom mais claro que o Espírito Santo deu a Filipe. Impressionante era sua liberdade, amabilidade e generosidade. Convidava a todos a cantarem louvores a Deus, promovia alegres peregrinação pelas Igrejas de Roma. A toda cara fechada pelo pecado, respondia com um sorriso divino. Não se deixava abater pelas dificuldades da vida e, mesmo ancião, tinha uma vontade e ânimo que impressionavam todos o seu redor. Dizia a todos: “que o pecado e a tristeza não entrem em nossa casa!”

No seu Oratório (era parecido com um Grupo de Oração), permitia que todos falassem sobre Deus. Falava de Deus a todos, de maneira simples. Não colocava peso no ombro alheio, mas se mostrava com o braço aberto e acolhedor.

E de onde vinha tudo isso? Da sua intimidade e busca de viver em unidade com Deus. Dizia: “quem quer alguma coisa diferente de Cristo não o que quer. Quem busca alguma coisa diferente de Cristo não sabe o que deseja. Quem trabalhava ou não o faz por Cristo, não sabe o que faz.” Todos os seus provinham daquele é fonte de todos os dons e que habitava livremente no seu grande coração: o Espírito Santo!

São Filipe Néri, dentre tantos títulos, foi conhecido como o “sorriso de Deus”. Que, por sua intercessão, sejamos nós rosto, sorriso e memória do Espírito Santo para todos!

*As informações sobre a vida de São Filipe foram retiradas do livro “Filipe Neri, o sorriso de Deus", de Guilherme Sanches Ximenes.

 

Felippe Nery
Grupo de Oração Emanuel
Diocese de Rio Branco (AC)

 


Leia mais sobre Artigos