Fontes de Água Viva

alt

Impressiona-me sobremaneira o diálogo de Jesus com a mulher samaritana (Jo 4, 5-42), com o qual a Igreja começa a segunda etapa da Quaresma, na qual Jesus Cristo é apresentado como Água viva, Luz do mundo, Ressurreição e Vida. Na conversa com aquela mulher encontramos a nós mesmos e descobrimos os caminhos para chegar a tantas pessoas temerosas de acolher o Salvador (Cf. Retiro Popular 2020).

O diálogo começou com questões domésticas, com poço e balde, passou por assuntos de religião até chegar à vida da mulher samaritana. Diálogo que se preze começa com ouvido e não com a fala interminável. Trata-se de acolher a outra pessoa como quem faz parte de mim, para saber partilhar as suas alegrias e os seus sofrimentos, para intuir os seus anseios e dar remédio às suas necessidades, para oferecer-lhe uma verdadeira e profunda amizade (Cf. São João Paulo II, Novo Millenio ineunte, 43) Jesus Cristo foi ao encontro da situação da samaritana, escutou-a profundamente e refez com ela o caminho, ele que descia do alto e conhecia o coração humano. Foi-lhe possível até mostrar às claras sem acusações, uma história cheia de dramas, para abrir-lhe a estrada da esperança.

A samaritana encontra Jesus junto ao poço de Jacó. Uma mulher na rotina monótona de sua vida, descobre a existência do pecado, a própria fraqueza e a exploração de que é vítima. No fundo, uma grande insatisfação, a sede de felicidade e de paz, o desejo de uma nova vida, na qual se sinta restaurada em sua dignidade. Chama-se Salvação esta novidade! Nessa mulher estão todos os nossos sonhos, todo o nosso desejo de graça e salvação.

Só a presença e a pessoa de Jesus a fazem descobrir algo de novo e melhor. No coração da samaritana e na situação de amargura, na qual se encontrava, mais ou menos acomodada, o Mestre escava, para que brote uma fonte de água, fazendo-a descobrir a si mesma a partir de sua própria humanidade. Em consequência, realiza-se o encontro da salvação. E Jesus se revela fonte de água viva que jorra para a vida eterna, fonte do Espírito Santo. Ele é o novo Moisés que toca com a força de sua palavra a rocha do coração da mulher. Jesus perdoa o pecado e dá um novo sentido à sua existência, fazendo-a portadora da novidade que brotara de seu próprio poço interior, cavado com delicadeza. Ele muda, converte e é fonte de felicidade.

Há muitos poços de Jacó espalhados pelas nossas cidades, esperando alguém que chegue em nome de Jesus Cristo para escutar e refazer estradas, sem medo de ir ao fundo das interrogações humanas. Há gente com sede de água viva gritando por socorro, clamando por cristãos que aceitem ser pequenos e simples, começando de novo, sem se escandalizarem com histórias de dor e lágrimas.

Onde encontrá-los? Se Jesus é a fonte de água viva, aquelas pessoas que foram marcadas com o dom do Espírito Santo, nos Sacramentos da Iniciação Cristã, podem, na justa medida, ser também elas fontes nas quais as pessoas distantes possam beber a água limpa da graça. Basta pensar que muitas pessoas não passarão pelas portas da Igreja se não passarem pelas portas de nossos corações. Cada pessoa encontrada por nós, pelas ruas, no trabalho, nos meios de transporte ou em qualquer lugar, sem exceção, é candidata ao Reino de Deus e à vida de Igreja. Nosso apostolado pode começar com um sorriso, um cumprimento, um gesto de delicadeza. Depois, ele alcançará outros níveis de compromisso, quando nos sentirmos chamados ao serviço da caridade, ao testemunho da verdade e à missão, característica de todos os discípulos de Jesus Cristo.

Poços de Jacó que conduzem às fontes de água viva podem ser os sacerdotes, e tantos fiéis os encontram neste tempo de Quaresma! Num discurso aos sacerdotes de Roma (6 de março de 2014), o Papa Francisco disse que estes devem ter um coração que se comova, pois “os sacerdotes assépticos não ajudam a Igreja”. Auguramos que muitas pessoas, parecidas com a Samaritana, encontrem justamente uma Igreja samaritana, capaz de se comover!

Mais ainda, do coração do Papa: “A Igreja de hoje pode comparar-se com um “hospital de campanha”; precisamos curar as feridas… Há muitas pessoas feridas, por problemas materiais, por escândalos, inclusive na Igreja… Gente ferida pelas ilusões do mundo”. Os padres e nossas paróquias estejam aí, ao lado das pessoas. O Papa recordou como Jesus caminhava pelas cidades e sentia compaixão pelas pessoas que encontrava, “pessoas cansadas e indefesas como ovelhas sem pastor”. Aos padres e a nós todos, o Papa convidou a escutar a voz do Espírito que fala com toda a Igreja em nosso tempo, que é exatamente o tempo da misericórdia”. “Misericórdia significa, acima de tudo curar as feridas…. não uma análise; depois serão feitos cuidados especiais, mas primeiro há que tratar as feridas abertas”.

Reportando-nos ainda às palavras do Papa Francisco, chegue a todos o nosso convite ao Sacramento da Penitência. “Em particular, o sacerdote mostra as entranhas da misericórdia na administração do sacramento da Reconciliação. Ele demonstra com toda sua atitude, com a maneira de acolher, de escutar, de aconselhar, de absolver. Mas isto depende de como ele mesmo vive o sacramento em primeira pessoa. Se o vive dentro de si, em seu próprio coração, pode dá-lo a outros no ministério”.

Enfim, cada uma de nossas Paróquias e Comunidades, sendo Igreja de portas abertas, hospital de campanha, possa trazer alegria a todos. E neste tempo de Quaresma, sacerdotes e fiéis, saiam também pelas portas abertas para irem ao encontro daquelas pessoas que passam por nós, mas ainda não nos descobriram como emissários daquele que diz ser a “porta das ovelhas”. É nossa vocação de “Igreja em saída”!

Saibam os que acolherem o convite, que podem estar escondidas por estas paragens muitas pessoas que no futuro dirão como os concidadãos da mulher samaritana. “Já não é por causa daquilo que contaste que cremos, pois nós mesmos ouvimos e sabemos que este é verdadeiramente o Salvador do mundo” (Jo 4, 42).

alt

 

Dom Alberto Taveira Corrêa
Arcebispo de Belém do Pará
Assessor Eclesiástico da RCCBRASIL

 


Leia mais sobre Artigos