Celebrando a Paixão de Cristo

alt

É chegada mais uma Sexta-feira Santa. E, neste ano de 2020, a celebraremos de uma maneira nova, única. A maior parte de nós estará impossibilitada de ir à paróquia adorar a Cruz e de fazer parte da grande Oração Universal, na qual a Igreja suplica ao Pai, pelos méritos da Paixão de Cristo, paz e proteção para todo o mundo. Entram em cena, assim, os modernos meios de comunicação, especialmente as redes sociais, onde centenas de irmãos meus, no presbiterado, têm se esforçado para levar aos seus a Palavra de vida e de esperança. Será através destes meios e pela caridade pastoral destes padres que o povo de Deus participará, com o coração entregue, desta Sexta-feira da Paixão do Senhor!

Gostaria de me deter por algumas linhas no salmo que cantaremos neste dia: o salmo 30(31), o mesmo que Jesus invocou do alto de sua cruz. Suas últimas palavras, de fato, foram estas: “em tuas mãos eu entrego o meu espírito” (cf. Lc 23,46). Se fizermos bastante atenção ao salmo, entenderemos em qual perspectiva Jesus ofereceu-se como sacrifício expiatório: ele está proclamando a fidelidade de Deus e confia a Ele toda a sua esperança. E não é isso o que cada um de nós deveria fazer, não somente neste dia e nestes tempos de tribulação, mas em todos os dias de nossas vidas? A quem podemos pedir auxílio nas horas mais escuras de nossa existência? Em quem podemos depositar a nossa esperança? Somente em Deus! Jesus o fez com coragem, e assim também nós o faremos.

O final deste salmo mostra que o Senhor sempre escuta a oração dos aflitos e exorta para amar a Deus, que protege sempre quem se confia nele. E foi isso o que Jesus realizou nas últimas 24 horas de sua vida: deu aos discípulos o mandamento do amor na última ceia e, na cruz, suplicou ao Pai que perdoasse os seus inimigos. Façamos deste salmo o nosso programa de vida para este tempo: confiança, entrega, súplica, esperança.

 

O sentido da Sexta-feira Santa

Esta celebração está inserida dentro do Tríduo Pascal, com o qual vivenciamos, hora a hora, a realização do mistério da nossa salvação. Ela não pode ser entendida sem o que aconteceu na Quinta-feira Santa e sem o que acontecerá na Vigília do Sábado Santo. Não é um funeral aquilo que celebramos, mas sim a vitória do Senhor sobre o pecado e sobre a morte! E para facilitar a participação dos fiéis, sobretudo neste ano, é bom entender a estrutura das quatro partes desta celebração: proclamamos a Paixão (liturgia da Palavra); invocamos a Paixão (Oração Universal); veneramos a Paixão (adoração da Cruz); e comungamos da Paixão (comunhão eucarística).

Todas estas partes podem ser realizadas em casa, com a permissão extraordinária dada pelo Vaticano, através dos meios de comunicação, com exceção da comunhão. Neste caso, faz-se a comunhão espiritual e, após a celebração, outras orações, como as que serão indicadas a seguir.

 

Sugestões para viver bem este dia

a. Na impossibilidade de ir à paróquia/comunidade, acompanhe a celebração da Paixão do Senhor pelos meios de comunicação, às três da tarde, com fé e devoção, se possível em família.

b. Após ter acompanhado a celebração da Paixão do Senhor, faça a oração das Vésperas, também se possível em família, que está disponibilizada ao final deste artigo, como apêndice. As Vésperas são a oração do fim da tarde da Liturgia das Horas, que é a oração pública oficial da Igreja, pela qual rendemos um perfeito louvor a Deus. A Liturgia das Horas não é exclusiva dos sacerdotes ou religiosas e deveria ser rezada por todo o povo de Deus, pelo menos nas horas principais do dia (as Laudes – oração do início da manhã; e as Vésperas). Atenção: quem participa da ação litúrgica da Paixão do Senhor está dispensado de rezar as Vésperas deste dia; no entanto, dado o caráter extraordinário deste ano, é recomendável fazê-lo.

c. Este é um dia de jejum (grande redução de calorias consumidas ao longo do dia, na modalidade mais adequada ao seu estilo de vida) e de abstinência de carne. Ofereça este jejum pelo fim da pandemia; e, como todo jejum, deve vir acompanhado de um gesto concreto de caridade (peça ao Espírito Santo para lhe inspirar em como fazer este gesto).

d. Faça um ato de veneração à imagem de Cristo crucificado. Você pode fazer um momento de intercessão e/ou rezar o terço da misericórdia diante desta imagem.

e. O filme A Paixão de Cristo (Mel Gibson) também é adequado para a meditação deste dia.

 

--------------------------
Padre João Paulo Veloso, arquidiocese de Palmas
Mestrando em Sagrada Liturgia pelo Pontifício Instituto Litúrgico de Roma

 

 

 

APÊNDICE: ORAÇÃO DAS VÉSPERAS DA SEXTA-FEIRA DA PAIXÃO DO SENHOR

 

Dirigente (D):Vinde, ó Deus, em meu auxílio (todos fazem o sinal da cruz).

Todos (T):Socorrei-me sem demora.

D:Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.

T: Como era no princípio, agora e sempre. Amém.

 

HINO (todos juntos ou alternando as estrofes)

 

1) Do Rei avança o estandarte, fulge o mistério da Cruz, onde por nós foi suspenso o autor da vida, Jesus.

2) Do lado morto de Cristo, ao golpe que lhe vibraram, para lavar meu pecado o sangue e água jorraram.

3) Árvore esplêndida e bela, de rubra púrpura ornada, de os santos membros tocar digna só tu foste achada.

4) Ó Cruz feliz, dos teus braços do mundo o preço pendeu; balança foste do corpo que ao duro inferno venceu.

5) Salve, ó altar, salve vítima, eis que a vitória reluz: a vida em ti fere a morte, morte que à vida conduz.

6) Salve, ó cruz, doce esperança, concede aos réus remissão; dá-nos o fruto da graça, que floresceu na Paixão.

7) Louvor a vós, ó Trindade, fonte de todo perdão, aos que na Cruz foram salvos, dai a celeste mansão.

 

SALMOS (alternando as estrofes)

 

Salmo 115(116B)

 

D:Olhai, ó povos todos, e vede a minha dor!

 

1) Guardei a minha fé, mesmo dizendo: ‘É demais o sofrimento em minha vida!’. Confiei, quando dizia na aflição: ‘Todo homem é mentiroso! Todo homem!’.

2) Que poderei retribuir ao Senhor Deus por tudo aquilo que ele fez em meu favor?  Elevo o cálice da minha salvação, invocando o nome santo do Senhor. Vou cumprir minhas promessas ao Senhor na presença de seu povo reunido.

3) É sentida por demais pelo Senhor a morte de seus santos, seus amigos. Eis que sou o vosso servo, ó Senhor, vosso servo que nasceu de vossa serva; mas me quebrastes os grilhões da escravidão!

4) Por isso oferto um sacrifício de louvor, invocando o nome santo do Senhor. Vou cumprir minhas promessas ao Senhor na presença de seu povo reunido; nos átrios da casa do Senhor, em teu meio, ó cidade de Sião!

 

D: Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.

T: Como era no princípio, agora e sempre. Amém.

 

T:Olhai, ó povos todos, e vede a minha dor!

 

(brevíssima pausa de silêncio)

 

Salmo 142(143),1-11

 

D:O alento em mim já se extingue, o coração se comprime em meu peito.

 

1) Ó Senhor, escutai minha prece, ó meu Deus, atendei minha súplica! Respondei-me, ó vós, Deus fiel, escutai-me por vossa justiça! Não chameis vosso servo a juízo, pois diante da vossa presença não é justo nenhum dos viventes.

2) O inimigo persegue a minha alma, ele esmaga no chão minha vida e me faz habitante das trevas, como aqueles que há muito morreram. Já em mim o alento se extingue, o coração se comprime em meu peito!

3) Eu me lembro dos dias de outrora e repasso as vossas ações, recordando os vossos prodígios. Para vós minhas mãos eu estendo; minha alma tem sede de vós, como a terra sedenta e sem água.

4) Escutai-me depressa, Senhor, o espírito em mim desfalece! Não escondais vossa face de mim! Se o fizerdes, já posso contar-me entre aqueles que descem à cova!

5) Fazei-me cedo sentir vosso amor, porque em vós coloquei a esperança! Indicai-me o caminho a seguir, pois a vós eu elevo a minha alma! Libertai-me dos meus inimigos, porque sois meu refúgio, Senhor!

6) Vossa vontade ensinai-me a cumprir, porque sois o meu Deus e Senhor! Vosso Espírito bom me dirija e me guie por terra bem plana! 

7) Por vosso nome e por vosso amor conservai, renovai minha vida! Pela vossa justiça e clemência, arrancai a minha alma da angústia!

 

D: Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.

T: Como era no princípio, agora e sempre. Amém.

 

T:O alento em mim já se extingue, o coração se comprime em meu peito.

 

(brevíssima pausa de silêncio)

 

Cântico Fl 2,6-11

 

D:E, tendo tomado o vinagre, Jesus disse: Tudo está consumado! E, inclinando a cabeça, entregou o espírito.

 

1) Embora fosse de divina condição, Cristo Jesus não se apegou ciosamente a ser igual em natureza a Deus Pai.

2) Porém esvaziou-se de sua glória e assumiu a condição de um escravo, fazendo-se aos homens semelhante.

3) Reconhecido exteriormente como homem, humilhou-se, obedecendo até à morte, até à morte humilhante numa cruz.

4) Por isso Deus o exaltou sobremaneira e deu-lhe o nome mais excelso, mais sublime, e elevado muito acima de outro nome.

5) Para que perante o nome de Jesus se dobre reverente todo joelho, seja nos céus, seja na terra ou nos abismos.

6) E toda língua reconheça, confessando, para a glória de Deus Pai e seu louvor: ‘Na verdade Jesus Cristo é o Senhor!’.

 

D: Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.

T: Como era no princípio, agora e sempre. Amém.

 

T:E, tendo tomado o vinagre, Jesus disse: Tudo está consumado! E, inclinando a cabeça, entregou o espírito.

 

(brevíssima pausa de silêncio)

 

LEITURA (uma pessoa proclama)

 

1Pd 2,21b-24

Cristo sofreu por vós deixando-vos um exemplo, a fim de que sigais os seus passos. Ele não cometeu pecado algum, mentira nenhuma foi encontrada em sua boca. Quando injuriado, não retribuía as injúrias; atormentado, não ameaçava; antes, colocava a sua causa nas mãos daquele que julga com justiça. Sobre a cruz, carregou nossos pecados em seu próprio corpo, a fim de que, mortos para os pecados, vivamos para a justiça. Por suas feridas fostes curados.

 

(brevíssima pausa de silêncio)

 

D: Jesus Cristo se humilhou e se fez obediente, obediente até à morte, e morte de cruz.

T: Jesus Cristo se humilhou e se fez obediente, obediente até à morte, e morte de cruz.

 

CÂNTICO EVANGÉLICO – MAGNIFICAT (alternando as estrofes)

 

Lc 1,46-55

 

D: Inimigos que nós éramos de Deus, reconciliados nós ficamos com Deus Pai pela morte de seu Filho, Jesus Cristo.

 

1) A minha alma engrandece ao Senhor (todos fazem o sinal da cruz) e se alegrou o meu espírito em Deus, meu Salvador; pois ele viu a pequenez de sua serva, desde agora as gerações hão de chamar-me de bendita.

2) O Poderoso fez por mim maravilhas e Santo é o seu nome! Seu amor, de geração em geração, chega a todos que o respeitam;

3) demonstrou o poder de seu braço, dispersou os orgulhosos; derrubou os poderosos de seus tronos e os humildes exaltou;

4) De bens saciou os famintos, e despediu, sem nada, os ricos. Acolheu Israel, seu servidor, fiel ao seu amor,

5) como havia prometido aos nossos pais, em favor de Abraão e de seus filhos, para sempre.

 

D: Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.

T: Como era no princípio, agora e sempre. Amém.

 

T:Inimigos que nós éramos de Deus, reconciliados nós ficamos com Deus Pai pela morte de seu Filho, Jesus Cristo.

 

PRECES (cada pessoa pode fazer uma)

 

D: Comemorando piedosamente a morte de nosso Senhor Jesus Cristo, de onde brotou a vida do mundo, roguemos a Deus Pai:

T: Pela morte de Cristo, vosso Filho, ouvi-nos, Senhor!

 

1) Fortalecei, Senhor, a unidade da Igreja.

2) Protegei o Santo Padre Francisco.

3) Santificai pelo Espírito Santo os ministros da Igreja e todo o povo cristão.

4) Aumentai a fé e a sabedoria dos catecúmenos.

5) Congregai todos os cristãos na unidade.

6) Conduzi os judeus à plenitude da redenção.

7) Iluminai com a luz da vossa glória os que não creem em Cristo.

8) Revelai aos ateus os sinais da vossa bondade nas obras da criação.

9) Dirigi o espírito e o coração dos governantes.

10) Confortai os atribulados.

11) (intenções livres)

12) Socorrei os que morreram.

 

PAI NOSSO (todos rezam juntos)

 

ORAÇÃO FINAL

 

D:Olhai com amor, ó Pai, esta vossa família, pela qual nosso Senhor Jesus Cristo livremente se entregou às mãos dos inimigos e sofreu o suplício da cruz. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

T: Amém.

 

D: O Senhor nos abençoe (todos fazem o sinal da cruz) nos livre de todo o mal e nos conduza à vida eterna.

T: Amém.

 

D: Bendigamos o Senhor.

T: Demos graças a Deus.

 


Leia mais sobre Especial