"Oração, principal instrumento de trabalho e salvação de vida"

alt

A importância da oração como ‘ferramenta de trabalho’ e salvação de vida: este foi o cerne das palavras do Papa Francisco em sua reflexão antes de rezar a oração mariana do Angelus, neste domingo, 24 de julho.Milhares de fiéis, principalmente jovens, participaram do encontro, e muitas bandeiras brasileiras enfeitaram a Praça São Pedro. A comitiva de São João da Boa Vista (SP), bastante numerosa, foi saudada pelo Papa no momento final.

“Senhor, ensina-me a rezar” foi a frase que o Pontífice destacou do Evangelho do dia (Lc 11, 1-13), recordando que a palavra ‘Pai’ é o segredo ‘fundamental’ da oração.

“É a chave que Ele nos dá para que possamos entrar também na relação de diálogo íntimo com o Pai”, afirmou, reiterando que “insistir com Deus não serve para convencê-lo, mas para fortalecer a nossa fé, nossa capacidade de lutar com Deus pelas coisas realmente importantes”. E dentre elas, o Papa apontou o Espírito Santo.

Citando a oração do ‘Pai Nosso’, Francisco lembrou que Lucas menciona três súplicas: o pão, com o qual Jesus nos mostra o que é necessário e não o supérfluo; o perdão, que recebemos antes de tudo de Deus e que nos torna capazes de realizar gestos de reconciliação; e enfim, o terceiro pedido: ‘não nos deixeis cair em tentação’, um conceito que expressa a nossa condição de estarmos sempre à mercê do mal e da corrupção.

“Não se pode viver sem pão, não se pode viver sem perdão e não se pode viver sem a ajuda de Deus para não cairmos em tentação”, assegurou o Pontífice, concluindo: “Sabemos bem o que são as tentações!”. 

Rumo à JMJ de Cracóvia

Em seu encontro deste domingo (24/07) com os fiéis na Praça São Pedro, o Papa pediu a todos que o acompanhem com orações em sua próxima viagem, à Polônia.

“Nestes dias, muitos jovens, de todas as partes do mundo, estão se dirigindo à Cracóvia, aonde terá lugar a XXI Jornada Mundial da Juventude.

Eu também partirei, quarta-feira, para me encontrar com estes rapazes e moças e celebrar com eles, e para eles, o Jubileu da Misericórdia, com a intercessão de São João Paulo II. Peço que nos acompanhem com a oração.

Desde agora, cumprimento e agradeço todos os que estão trabalhando para acolher os jovens peregrinos: bispos, sacerdotes, religiosos, religiosas e leigos. Dirijo um pensamento especial aos muitos que não poderão estar presentes pessoalmente e vão acompanhar os eventos pelos meios de comunicação. Estaremos todos juntos na oração!”, completou o Papa, recebendo os aplausos da Praça. 

Fonte: Rádio Vaticano


Leia mais sobre Formação