Jovens da RCC da Arquidiocese de Belém participam da Trasladação no Círio de Nazaré

altNo último sábado (10), jovens do Ministério Jovem de Belém, participaram da Transladação da corda que leva a berlinda com a imagem de Nossa Senhora de Nazaré à Catedral Metropolitana, na capital paraense,  um sinal de gratidão e devoção a Virgem Maria, na maior festa católica do país.

Foram cerca de 70 servos e membros de Grupos de Oração que se uniram a aproximadamente 1 milhão de devotos presentes na procissão.  A participação do Ministério Jovem recebeu o título de “Transladação: os Sentinelas na Corda da Fé”. A preparação foi feita com um dia de formação, oração e terço, conduzidos pelo tema do Círio “Maria, Mulher Eucarística”.

A transladação é uma romaria que parte do Colégio Gentil Bittencourt, com a Berlinda da imagem de Nossa Senhora de Nazaré, em direção à Catedral de Belém, na noite de sábado, no sentindo inverso ao trajeto do Círio de Nazaré, que é a principal procissão da festa, que acontece no domingo pela manhã. A transladação tem um percurso de 3,6 km.

Alguns dos participantes ajudaram na animação do momento, na distribuição da água e abanando os participantes que puxavam os 400 metros de corda, que é o símbolo de união entre os romeiros e a Virgem Maria.

Além das homenagens a Nossa Senhora de Nazaré, celebradas no domingo, 11/10, a RCC de Belém esteve presente nas romarias e programações da Festa de Nossa Senhora de Nazaré, também intitulada a Rainha da Amazônia.

Felipe Rodrigues comenta que a longa caminhada, que durou cerca de seis horas, foi uma experiência de renovamento: “É Maravilhoso, você se renova; o corpo fica cansado, dolorido, mas a fé e o amor por nossa Mãe faz continuar até o limite dos limites do corpo, vale muito a pena todo o esforço”, comenta Felipe.

Durante a Procissão, músicas, orações e provas de devoção à patrona do estado, mostram a importância da festa para os católicos do Pará e também para turistas que participam das celebrações, puxando a corda como agradecimento por graças alcançados ou pedindo ajuda de Nossa Senhora de Nazaré.

Nas atividades, a presença da juventude é expressiva, “foi uma experiência de muita felicidade e amor, a cada passo que dava, mesmo que em meio aos apertos, meu coração se enchia de alegria”, diz Dhéssica Azevedo, membro do Ministério Jovem de Belém.

​​​​O Círio de Nazaré

Em 1700, às margens do rio Igarapé Murutucú, Plácido José de Souza encontrou uma imagem de Nossa Senhora de Nazaré. Nesse local, mais tarde, Plácido construiu uma pequena capela (onde hoje se encontra a Basílica Santuário). Moradores da região começam a rezar diante da imagem encontrada e assim a devoção do povo se inicia.

O primeiro Círio foi realizado no dia 8 de setembro de 1793. Em 1855 surge a berlinda de Nazaré (carro que traz a imagem de Nossa Senhora), nesse mesmo ano, a berlinda atolou no barro durante a procissão. Foi por conta disso, a fim de arrastar a berlinda, que surgiu a corda para trazer a imagem da Mãe de Jesus, tornando assim, tradição da festa até os dias atuais.

A programação da festa conta com diversas atividades, entre elas, procissões, vigílias, shows, romaria fluvial e Missas.Atualmente, a festa do Círio de Nazaré é a maior festa religiosa do Brasil e a maior procissão do mundo, chegando a 2 milhões de participantes. Durante os dias de festas, muitas pessoas enfeitam as varandas e casas, para receber a Virgem de Nazaré.

Nossa Senhora de Nazaré é a patrona do Estado do Pará e considerada a Rainha da Amazônia. Em 2013, a UNESCO declarou o Círio de Nazaré como patrimônio cultural da humanidade. Em setembro do ano seguinte, a festa foi registrada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) como patrimônio cultural de natureza imaterial.


Leia mais sobre Eventos Diocesanos